Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Astrazeneca

Referência

Bupivacaína 5mg

Apresentação

emb. c/ 6 fr.-amp. c/ 20 ml (5mg/ml).

Contra-indicações

MARCAÍNA é contra-indicada em anestesia obstétrica. A bupivacaína é contra-indicada para pacientes com hipersensibilidade aos anestésicos locais do tipo amida ou aos outros componentes da fórmula e para anestesia regional intravenosa (bloqueio de Bier), pois o vazamento acidental sob o torniquete pode causar reações tóxicas sistêmicas. Os anestésicos locais são contra-indicados em anestesia epidural em pacientes com hipotensão acentuada, tais como nos choques cardiogênico e hipovolêmico.

Reações adversas / Efeitos colaterais

Reações adversas sistêmicas graves são raras mas podem ocorrer na superdosagem ou injeção intravascular acidental (ver Posologia e modo de usar). A toxicidade causada pela bupivacaína é similar à observada com outros agentes anestésicos locais e é causada por altas concentrações plasmáticas resultantes de doses altas, absorção rápida ou, mais comumente, por injeção intravascular acidental. A acidose acentuada ou hipoxia pode aumentar o risco e a gravidade das reações tóxicas. As reações do SNC incluem: dormência da língua, delírio, tonturas, visão turva e tremores, seguidos por sonolência, convulsões, inconsciência e, possivelmente, parada respiratória. Hipotensão e bradicardia podem ocorrer como fenômenos fisiológicos normais após bloqueio simpático com bloqueio neural central. As reações cardiovasculares que ocorrem com altas doses ou injeção intravascular acidental de bupivacaína incluem: depressão do miocárdio, diminuição do débito cardíaco, bloqueio cardíaco, hipotensão, bradicardia, arritmias ventriculares, incluindo taquicardia ventricular e fibrilação ventricular, e parada cardíaca. A hipoxia causada por convulsões e apnéia pode ser um fator contribuinte nas reações cardiovasculares. A incidência de reações adversas neurológicas associadas com o uso de anestésicos locais é muito baixa e elas podem ser função da dose total administrada, droga utilizada, via de administração e estado físico do paciente. Muitos desses efeitos podem estar ligados à técnica da anestesia local, com ou sem participação da droga. As reações neurológicas que ocorrem com anestesia regional têm incluído: anestesia persistente, parestesia, fraqueza, paralisia dos membros inferiores e perda do controle esfincteriano. Em raros casos, têm sido relatadas reações alérgicas (nos casos mais graves, choque anafilático).

Posologia

Deve-se ter muito cuidado para prevenir a injeção intravascular acidental, sempre incluindo aspiração cuidadosa. A aspiração deve ser repetida antes da administração da dose total. A dose principal deve ser injetada lentamente, 25-50 mg/min, em doses crescentes sob constante contato com o paciente. Se ocorrerem sintomas tóxicos leves, a injeção deve ser interrompida imediatamente. Para uso em adultos, recomenda-se as seguintes doses como guia em anestesia peridural: 10-20 ml (75-150 mg de cloridrato de bupivacaína). Dose máxima recomendada: A dose máxima recomendada de bupivacaína em um período de 4 horas é de 2 mg/kg de peso, até 150 mg em adultos. A dose máxima diária recomendada é de 400 mg. A dose total deve ser corrigida com relação à idade, tamanho e estado físico do paciente.

diária recomendada é de 400 mg. A dose total deve ser corrigida com relação à idade, tamanho e estado físico do paciente.