Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Catarinense

Apresentação

compr. - emb. c/ 50 env. c/ 4 compr. de 500mg cada.

Indicações

A sulfadiazina é eficiente no tratamento das infecções gonocócicas, estafilocócicas, estreptocócicas e meningocócicas.

Contra-indicações

Pacientes alérgicos às demais sulfas podem apresentar reações idênticas com a sulfadiazina. Quando a administração for prolongada, aconselha-se contagens hematológicas periódicas. Pacientes com disfunções renais devem ser mantidos sob rigorosa observação, devido a excreção da sulfa ser via renal, o que pode acarretar acúmulo de medicamento nos tecidos. Em pacientes recebendo sulfadiazina, a ingestão de líquido é necessária para reduzir o risco de cristalúria, a urina diária eliminada deve ser 1200 a 1500 ml ou mais. A administração de compostos que confere uma urina ácida pode aumentar o risco de cristalúria; o risco pode ser reduzido com urina alcalina. Se a urina estiver ácida, tomar bicarbonato de sódio concomitantemente. O tratamento com sulfadiazina deve ser interrompido imediatamente se um exantema aparecer devido ao perigo de reações alérgicas severas como a Síndrome de Stevens-Johnson. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

Advertências

Em pacientes recebendo sulfadiazina, a ingestão de líquido é necessária para reduzir o risco de cristalúria; a urina diária eliminada deve ser 1200 a 1500 ml ou mais. O risco da administração de compostos que conferem uma urina ácida que pode aumentar o risco de cristalúria é reduzido com urina alcalina. Se a urina estiver ácida, administrar bicarbonato de sódio concomitantemente. Quando a administração for prolongada, aconselha-se contagens hematológicas periódicas. Pacientes com disfunções renais devem ser mantidos sob rigorosa observação, devido a excreção da sulfa ser via renal, o que pode acarretar acúmulo de medicamento nos tecidos. O tratamento com sulfadiazina deve ser interrompido imediatamente se um exantema aparecer devido ao perigo de reações alérgicas severas como a Síndrome de Stevens-Johnson. Categoria C: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. O uso® deve ser evitado na gravidez porque a sulfadiazina atravessa rapidamente a barreira placentária e alcança a circulação fetal, tendo mostrado ser teratogênica em ratos. Este medicamento só deve ser utilizado por via oral.

Uso na gravidez

Categoria C: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. O uso® deve ser evitado na gravidez porque a sulfadiazina atravessa rapidamente a barreira placentária e alcança a circulação fetal, tendo mostrado ser teratogênica em ratos.

Interações medicamentosas

A ação da sulfadiazina pode ser antagonizada pelo ácido para-aminobenzóico e seus compostos derivados, particularmente aminobenzoato de potássio e anestésicos locais do grupo da procaína. • A sulfadiazina pode potencializar os efeitos de algumas drogas, como os anticoagulantes orais, metotrexato e fenitoína. Isto pode ser devido ao deslocamento da droga dos sítios de ligação protêica plasmática ou pela inibição do metabolismo. • O efeito antidiabético dos compostos de sulfoniluréia pode ser aumentado pelo uso concomitante de sulfadiazina. • Falência de contraceptivos hormonais resultando em gravidez em pacientes tratadas com sulfadiazina.

Reações adversas / Efeitos colaterais

Trato Gastrintestinal Distúrbios gastrintestinais tais como náusea, vômitos, diarréia e anorexia. Pancreatite. • Sistema nervoso central Cefaléia, vertigem, insônia, convulsões, depressão, reações psicóticas e meningite asséptica. Hipotireoidismo, ataxia. • Órgãos sensoriais Zumbido ou tinido. • Sistema cardiovascular Miocardite. • Pele Prurido, rubor, reações de fotossensibilidade, dermatite esfoliativa, eritema nodoso. Em casos raros, podem ocorrer reações severas na pele, potencialmente fatal, incluindo necrose epidérmica tóxica e Síndrome de Stevens-Johnson. Dermatites podem ocorrer com o contato das sulfonamidas com a pele. Lupus eritematoso sistêmico, particularmente exacerbação da doença pré-existente. • Sistema urogenital Reações de nefrotoxicidade incluindo nefrite túbulo-intersticial e necrose tubular que pode resultar em falência renal. Hematúria, oligúria e anúria também podem ocorrer devido a cristalização na urina da sulfadiazina ou, no mínimo, de seus metabólitos acetilados solúveis. • Fígado Necrose hepática, hepatomegalia e icterícia. • Sistema respiratório Eosinofilia pulmonar simples. • Hematológicas Trombocitopenia, leucopenia, anemia aplástica, hipo-protrombinemia, eosinofilia, agranulocitose e hipoglicemia.

Posologia

Para adultos: A dose diária recomendada é de 4g ou 8 comprimidos. A dose diária prescrita deve ser fracionada em 4 tomadas. A dose de manutenção deve ser administrada ininterruptamente durante 3 a 5 dias. Para crianças: A dose inicial recomendada é de 75 mg/kg e a dose de manutenção é de 150 mg/kg ao dia fracionada em 3 tomadas.

Superdosagem

As medidas terapêuticas que podem ser tomadas em casos de superdosagem são: lavagem gástrica e tratamento com carvão ativado, tão cedo quanto possível para ajudar a evitar a absorção.

Características farmacológicas

Farmacodinâmica: A sulfadiazina é análoga estrutural e antagonista competitiva do ácido para-aminobenzóico (PABA), impedindo, portanto, a sua utilização pelas bactérias na síntese do ácido fólico (ácido pteroilglutâmico). Mais especificamente, a sulfadiazina é inibidora competitiva da diidropteroato-sintetase, a enzima bacteriana responsável pela incorpora-ção do PABA no ácido diidropteróico, precursor imediato do ácido fólico. Os microorganismos sensíveis à sulfa-diazina são primariamente aqueles que sintetizam seu próprio ácido fólico. Farmacocinética: A sulfadiazina é rapidamente absorvida no trato gastrintestinal. As concentrações sangüíneas máximas são atingidas 3 a 6 horas após a administração; 20 a 55% da sulfadiazina absorvida está ligada a proteínas plasmáticas. Ela penetra no fluido cérebro-espinhal para produzir concentrações terapêuticas, que podem ser mais da metade daquela do sangue, dentro de 4 horas por administração oral. Até 40% da sulfadiazina no sangue está presente como o derivado do acetil. A meia-vida da sulfadiazina é de 10 horas aproximadamente; essa é prolongada quando existe diminuição da capacidade renal. Cerca de 50% da sulfadiazina administrada oralmente é excretada na urina em 24horas; 15 a 40% é excretada na forma acetilada. A excreção na urina da sulfadiazina e dos derivados do acetil é dependente do pH. Cerca de 30% é excretado inalterado por acetilação rápida e lenta quando a urina é ácida enquanto cerca de 75% é excretado inalterado por acetilação lenta quando a urina é alcalina.

Resultados de eficácia

Os resultados vão depender da patologia e do seu grau de severidade, variando de um caso para outro.

Modo de usar

Os comprimidos devem ser ingeridos por via oral. Suladrin® deve ser guardado em sua embalagem original, evitando-se local quente [30-40 °C] e protegendo-o da umidade.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Suladrin® é bem tolerado e não apresenta efeitos colaterais relevantes para uso em idosos e crianças.

Armazenagem

Suladrin® deve ser guardado em sua embalagem original, evitando-se local quente [30-40 °C] e protegendo-o da umidade.

Informações

Suladrin atua por ação bacteriostática. A sulfadiazina é eficiente no tratamento das infecções gonocócicas, estafilocócicas, estreptocócicas e meningocócicas. As vantagens da sulfadiazina com relação às outras sulfonamidas são: maior tolerância, facilidade de alncançar e manter as necessárias concentrações no sangue, rápida penetração no líquido pleural, peritonial e céfalo-raquidiano e, finalmente, sua grande solubilidade na urina, diminuindo assim, o perigo das lesões renais.

Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA Número do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide cartucho. M.S. 1.0066.0046.001-0 Farm. Resp.: T. Fujii - CRF-SC Nº 947 Laboratório Catarinense S.A. Rua Dr. João Colin, 1053 89204-001 - Joinville - SC CNPJ 84.684.620/0001-87 Indústria Brasileira  SAC 0800-474222 www.labcat.com.br

data de fabricação e prazo de validade: vide cartucho. M.S. 1.0066.0046.001-0 Farm. Resp.: T. Fujii - CRF-SC Nº 947 Laboratório Catarinense S.A. Rua Dr. João Colin, 1053 89204-001 - Joinville - SC CNPJ 84.684.620/0001-87 Indústria Brasileira  SAC 0800-474222 www.labcat.com.br