Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Fqm

Apresentação

Gel - Embalagem com um tubo de 80g + uma régua dosadora. Via transdérmica

Indicações

Correções da deficiência estrogênica e de sintomas de falta de estrogênio, especialmente aqueles relativos à menopausa natural ou cirúrgica: sintomas vasomotores (ondas de calor, transpiração noturna), problemas tróficos geniturinários (atrofia vulvovaginal, dispareunia, incontinência urinária) e problemas psicológicos (distúrbio no sono, astenia dentre outros). Prevenção da perda óssea pós-menopáusica.

Contra-indicações

Esse medicamento não deve ser receitado nas seguintes situações: doença tromboembólica venosa atual; doença trombótica arterial recente (particularmente, acidentes vasculares cerebrais ou coronários); doença cardíaca embólica; doença estrogênio-dependente maligna suspeita ou conhecida (por exemplo: câncer de útero ou de mama); sangramento vaginal não diagnosticado; doença hepática grave; gravidez e hipersensibilidade a quaisquer dos componentes da fórmula.

Advertências

Exame médico e mamografia devem ser efetuados antes e periodicamente durante o processo de terapia estrogênica. Atenção especial deve ser dada às mamas, útero, pressão arterial e peso corporal. - O tratamento hormonal deveria ser instituído somente após avaliação da situação cardiovascular e/ou metabólica da paciente e deve haver monitorização cuidadosa nas seguintes situações: acidente cerebral isquêmico ou hemorrágico; oclusão da veia central da retina (história de episódio prévio destas situações). Obesidade, devido ao risco de trombose venosa; confinamento ao leito e cirurgia (é aconselhável parar o tratamento um mês antes da cirurgia planejada); diabetes complicado (especialmente na presença de uma microangiopatia); pressão arterial alta. - Os benefícios e riscos do tratamento devem ser avaliados e monitorados cuidadosamente em pacientes com as seguintes condições: endometriose hiperplasia endometrial; fibroma uterino; tumores benignos da pele; lúpus eritrematoso sistêmico; tumor da hipófise secretor de prolactina, porfiria. - Pacientes com as seguintes condições também merecem monitorização cuidadosa: Colestase recorrente ou prurido reincidente durante a gravidez; insuficiência renal, epilepsia, asma, história familiar de câncer de mama, doença de fígado ou otospongiose.

Uso na gravidez

Informar ao médico caso ocorra gravidez durante o tratamento e se caso ocorra o tratamento deverá ser interrompido.

Interações medicamentosas

Associação que requer precauções especiais: Indutores enzimáticos: Anticonvulsivantes (carbamazepina, fenobarbital, fenitoína, primidona), barbituratos, griseofulvina, rifabutina, rifampicina: risco de redução da eficácia do estrogênio. Embora a existência de tais interações ainda não esteja descrita com estrogênio por via percutânea, poderá ser necessário monitoramento clínico e possível ajuste na dose de estrogênio.

Reações adversas / Efeitos colaterais

Efeitos colaterais foram raramente observados. Por precaução, é preferível interromper o tratamento em caso ou suspeita de: acidente cardiovascular ou tromboembólico; icterícia colestática; mastopatia benigna; tumor uterino (por exemplo: aumento no volume de um fibroma); adenoma hepático (podendo ocorrer hemorragia intraabdominal). Galactorréia: se este sintoma aparecer, deverá ser feita pesquisa sobre a existência de um adenoma hipofisário. Efeitos indesejáveis menores, porém, mais freqüentes, podem eventualmente provocar a interrupção do tratamento, mas levam geralmente à adaptação da posologia em função dos sinais de uma dosagem excessiva ou baixa: Sinais de estrogênio insuficiente: ondas de calor persistentes; dores de cabeça como enxaquecas; secura vaginal; irritação ocular devido a lentes de contato. Sinais de estrogênio excessivo: náusea e/ou vômito; cólicas abdominais; flatulência; tensão e dor mamária; irritabilidade; edema; peso nas pernas; secreções aumentadas do muco cervical. Outros efeitos indesejáveis: metrorragia (pesquisar patologia subjacente, em particular a endometriose); descontrole das crises de epilepsia; cloasma ou melasma; alteração na menstruação; depressão.

Informações

Estrogênios: sistema urogenital e hormônios sexuais. O estrogênio natural pela via transdérmica permite: - O uso do estrogênio idêntico ao natural secretado pelo ovário, o 17-ß estradiol; - Evita o efeito de primeira passagem hepática responsável pelo aumento da síntese do angiotensinogênio, lipoproteínas de baixa densidade e determinados fatores da coagulação considerados como favorecedores de efeitos secundários cardiovasculares, tromboembólicos e metabólicos. Estudos controlados realizados com formas transdérmicas de estrogênios mostram que o efeito de prevenção da perda óssea varia dependendo das pacientes, porém é proporcional à dose de estrogênios liberada. Com este gel na posologia de 2,5 g de gel por dia, 21 dias dos 28, é obtido o efeito em cerca de 89% das mulheres tratadas (contra 45% com placebo). A absorção percutânea equivale a aproximadamente 10% da dose aplicada: uma pressão correspondente à absorção de 75 mcg de estradiol. Há uma armazenagem temporária na camada córnea da epiderme. A partir da rede vascular dérmica, há uma difusão sistêmica lenta. A concentração plasmática de 17-ß estradiol obtida na mulher menopáusica após a administração de 1 medida da régua por dia é, em média, de 80 pg/ml, com uma proporção de estrona/estradiol similar a de mulheres no menacme.

17-ß estradiol obtida na mulher menopáusica após a administração de 1 medida da régua por dia é, em média, de 80 pg/ml, com uma proporção de estrona/estradiol similar a de mulheres no menacme.