Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Herbarium

Apresentação

Embalagem com 3 blísters contendo 15 cápsulas cada com 380mg.

Indicações

Auxiliar em casos de úlceras gástricas e dispepsias.

Contra-indicações

Pessoas com hipersensibilidade à espinheira-santa, gravidez e lactação.

Advertências

Em caso de hipersensibilidade ao produto, recomenda-se descontinuar o uso e consultar o médico.

Uso na gravidez

Contra-indicado na gravidez e lactação.

Interações medicamentosas

A administração concomitante de espinheira-santa com bebidas alcoólicas e outros medicamentos não é recomendada, pois não existem estudos disponíveis sobre as interações medicamentosas deste fitoterápico.

Reações adversas / Efeitos colaterais

Algumas pessoas podem apresentar sensação de boca seca, náusea e gastralgia, que desaparecem com o uso contínuo do medicamento.

Posologia

Ingerir 2 (duas) cápsulas, 3 (três) vezes ao dia.

Superdosagem

Em caso de superdosagem, recomenda-se suspender o uso e procurar orientação médica.

Informações

Espinheira-Santa herbarium é constituída pelo extrato seco de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia), padronizado em taninos. A espinheira-santa demonstrou provocar um efeito protetor no desenvolvimento de úlcera gástrica em animais experimentais, equivalente àquele obtido com cimetidina e ranitidina. Embora alguns trabalhos tenham indicado que a atividade antiúlcera poderia ser explicada pela presença de princípios ativos inibidores da bomba de prótons, etapa final das vias reguladoras da secreção ácida gástrica, seu mecanismo de ação terapêutica ainda não está totalmente esclarecido. Sugere-se que a atividade farmacológica ocorre por via sistêmica, visto que os estudos em ratos demonstraram que tanto a administração oral, quanto a administração intraperitonial, produziram o mesmo efeito protetor à mucosa gástrica.

reguladoras da secreção ácida gástrica, seu mecanismo de ação terapêutica ainda não está totalmente esclarecido. Sugere-se que a atividade farmacológica ocorre por via sistêmica, visto que os estudos em ratos demonstraram que tanto a administração oral, quanto a administração intraperitonial, produziram o mesmo efeito protetor à mucosa gástrica.