Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Merck

Apresentação

compr. rev. gastrorresistente: emb. c/ 84 compr.

Indicações

Acamprosato está indicado na manutenção da abstinência em pacientes álcool-dependentes. Deve ser associado ao acompanhamento psicológico.

Contra-indicações

O uso do produto está contra-indicado para: - mulheres durante a gestação e lactação; - pacientes com insuficiência renal ou hepática graves; - pacientes com reconhecida hipersensibilidade ao principio ativo do produto ou a qualquer um dos excipientes.

Interações medicamentosas

Não são conhecidas, até o momento, interações clinicamente significativas entre o acamprosato e outros medicamentos.

Reações adversas / Efeitos colaterais

São geralmente moderadas e transitórias, compreendendo manifestações: - gastrintestinais - diarréia e, menos freqüentemente, náuseas, vômitos e dores abdominais; - dermatológicas - prurido. Existem, também, relatos de eritema máculo-papular. Pacientes em uso do produto, podem, por vezes, referir aumento ou redução da libido. É, no entanto, difícil estabelecer relação causal entre a emprego do medicamento e estas alterações da libido, uma vez que, por ocasião das pesquisas clinicas, fenômenos semelhantes ocorreram também com a uso do placebo.

Posologia

Para pessoas com peso inferior a 60 kg a posologia diária é de 4 comprimidos com 333 mg de acamprosato, perfazendo um total de 1332 mg diários, divididos em três tomadas (dois comprimidos pela manhã, um a tarde e um a noite). Para pessoas com peso igual ou superior a 60 kg a posologia diária recomendada é de seis comprimidos com 333 mg de acamprosato, perfazendo um total de 1998 mg diários, igualmente divididos em três tomadas (2 comprimidos pela manhã, dois a tarde e dois a noite).

Superdosagem

Foram descritos cinco casos devidos a doses supra-clínicas de acamprosato em seres humanos. Em um deles o paciente ingeriu uma quantidade de comprimidos equivalente a 43 g de acamprosato. Em dois dos pacientes ocorreu diarréia, não se observando, em nenhum deles, fenômenos causados por hipercalcemia. O tratamento utilizado em todos os casos foi lavagem gástrica, após a qual os pacientes não apresentaram nenhum tipo de seqüela. Na eventualidade de surgirem fenômenos causados por hipercalcemia, deve-se empregar o tratamento recomendado para hipercalcemias agudas, a saber: - administração endovenosa de solução de cloreto de sódio a 0,9%; - promoção de diurese forçada com furosemida ou ácido etacrínico para aumentar rapidamente a excreção de cálcio; - monitorização eletrocardiográfica e utilização de agentes bloqueadores beta-adrenérgicos para proteger contra arritmias cardíacas; - se necessário, utilizar hemodiálise, calcitonina e corticóides.

Informações

O acamprosato (acetil-homotaurinato de cálcio) é urna droga com estrutura química semelhante a de neurotransmissores aminoácidos, tais como a taurina ou a ácido gama-amino-butírico (GABA), incluindo uma aceitação que permite ao acamprosato atravessar a barreira hemato-encefálica. Os primeiros estudos revelaram que a acamprosato é um agonista que estimula a atividade do neurotransmissor inibidor GABA, por ação sabre as receptores GABA B. Estudos mais recentes mostraram que ele, adernais, antagoniza as aminoácidos excitatórios, em particular a glutamato. Estudos experimentais, realizados em animais, demonstraram que a acamprosato possui efeito especifico sobre a dependência ao álcool, pais permite reduzir a consumo voluntário de álcool em ratos dependentes. Uma vez que foi amplamente demonstrado estar a fisiopatologia da dependência ao álcool associada a perturbações na transmissão sináptica, a restabelecimento do equilíbrio inibição/excitação é considerado como a base de ação do acamprosato. A eficácia de acamprosato em promover abstinência ao álcool pode ser explicada par sua ação redutora sobre a desejo de ingerir álcool. Evidências obtidas a partir de estudos feitos com animais, assim como de ensaios clínicos com seres humanos, mostram que acamprosato não provoca aversão ao álcool, não bloqueia os efeitos de recompensa do álcool, nem substitui o álcool. Investigações no mecanismo de ação de acamprosato, em nível neurológico, indicam que ele corrige a atividade inibidora GABAérgica, previamente desequilibrada. Além do mais, inibe o sistema excitatório com pensador, representado pelo glutamato. Desta forma teria efeitos terapêuticos sobre mecanismos envolvidos com a dependência ao álcool. A ingestão aguda de álcool acentua a transmissão GABAérgica, aumentando os impulsos elétricos nos neurônios GABA.

apêuticos sobre mecanismos envolvidos com a dependência ao álcool. A ingestão aguda de álcool acentua a transmissão GABAérgica, aumentando os impulsos elétricos nos neurônios GABA.