Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Gsk

Apresentação

Alkeran compr. rev., c/ 2 mg de melfalano, emb. c/ 25 unidades. Alkeran inj. contém 1 fr.-ampola, c/ 50 mg de Melfalana, acompanhado de 10 mL de sol. diluente.

Indicações

Alkeran comprimidos é indicado para o tratamento de mieloma múltiplo, câncer ovariano avançado, câncer de mama avançado, policitemia vera, e também adjuvante na cirurgia de câncer de mama avançado. Alkeran injetável é indicado para o tratamento de melanoma maligno e sarcoma localizado em tecidos moles quando administrado por perfusão regional. A Melfalana intravenosa tem sido utilizada nos tratamentos de carcinoma ovariano avançado e mieloma múltiplo. A literatura científica deve ser consultada para verificação de pormenores.

Contra-indicações

O uso de A l k e ra n é contra-indicado para pacientes com hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da fórmula. A droga não deve ser administrada quando a contagem de neutrófilos for inferior a 1.500 por milímetro cúbico de sangue ou caso tenha sofrido redução recente por radioterapia ou quimioterapia, ou ainda se a contagem de plaquetas estiver significativamente baixa ou deprimida recentemente por estes tratamentos.

Reações adversas / Efeitos colaterais

O efeito colateral mais comum é a depressão da medula óssea, ocasionando leucopenia e trombocitopenia. Os efeitos gastrintestinais, como náuseas e vômitos, ocorrem em até 30% dos pacientes em tratamento com doses convencionais. Raramente ocorre estomatite após administração de doses convencionais. A incidência de diarréia, vômitos e estomatite aumenta em pacientes que recebem altas doses desse produto. O pré-tratamento com ciclofosfamida demonstrou reduzir a gravidade dos danos gastrintestinais ocasionados por elevadas doses e deve ser consultada a literatura específica para observação de detalhes. Raros casos de reações alérgicas ao Alkeran, como urticária, edema, rash cutâneo e anafilaxia, foram relatados após a administração de dosagens iniciais ou subseqüentes, particularmente após administração intravenosa. Raramente, relatou-se parada cardíaca associada a estes eventos. Ocasionalmente observam-se rash maculopapular e prurido. Houve também relatos de casos de anemia hemolítica, os quais ocorreram após o tratamento com melfalana. Relatou-se alopécia, mas é ocorrência incomum. Foram relatadas desordens hepáticas, variando desde testes de função hepática anormais a manifestações clínicas como hepatite e icterícia. Relatou-se ainda distúrbio veno-oclusivo em associação com estes casos. Existem relatos de casos de pneumonite intersticial e fibrose pulmonar; tendo esta última resultado em casos fatais. Tem-se observado elevação significativa e temporária da uremia nos primeiros estágios do tratamento com melfalana, em mieloma em pacientes com comprometimento renal. Em aproximadamente dois terços dos pacientes com malignidade hematológica e tratados com altas doses injetável via linha central foi descrita uma sensação de calor e/ou formigamento subjeti va e transitória.

Posologia

Alkeran é uma droga citotóxica que faz parte da classe geral de agentes alquilantes e, desta forma, somente deve ser prescrito por profissionais experientes no tratamento de distúrbios malignos. Como o Alkeran é mielossupressor, é fundamental a realização de contagens de células sangüíneas durante o tratamento e o ajuste das doses, se necessário (ver PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS). A absorção após a administração oral é variável e, em alguns pacientes, é baixa. Pode ser necessário um aumento cuidadoso da dose, até que se note a mielossupressão, para que se assegure que os níveis potencialmente terapêuticos tenham sido alcançados. Mieloma múltiplo: Um esquema de dose oral típico é de 0,15 mg/kg/dia, em doses divididas por quatro dias, repetidas a intervalos de 6 semanas. Numerosos esquemas têm sido usados, e deve ser consultada a literatura científica para a verificação de detalhes. A administração comprimidos, concomitantemente com prednisona, pode ser mais eficaz do que o uso isoladamente. A combinação é normalmente usada em regime de dose intermitente. O prolongamento do tratamento por mais de um ano, em pacientes que respondem a ele, não parece melhorar os resultados. Adenocarcinoma ovariano avançado: Um regime oral típico é 0,2 mg/kg de peso corporal/dia, por 5 dias. Este regime é repetido a cada 4 a 8 semanas, ou assim que a contagem sangüínea periférica for recuperada. Câncer de mama a vançado: O Alkeran tem sido administrado por via oral com uma dose de 0,15 mg/kg de peso corporal ou 6 mg/ m2 de área de superfície corporal/dia por 5 dias e repetida a cada 6 semanas. A dose deve ser decrescida se for observada toxicidade na medula óssea. Policetemia Vera Rubra: Para diminuição da indução, Alkeran tem sido administrado em doses orais de 6 a 10 mg diários por 5 a 7 dias, depois 2 a 4 mg diariamente até que se atinja um controle satisfatório da doença. Para manutenção da terapia é administrado 2 a 6 mg por semana. Pode ocorrer uma mielossupressão grave se A l k e ra n for administrado continuamente. Por isso, é essencial uma contagem sangüínea enquanto ocorrer a terapia, com um ajuste de dose ou até interrupção do tratamento, conforme adequado, para manter um cuidadoso controle hematológico. Uso em crianças: Muito raramente Alkeran comprimido é indicado para crianças; assim, não há indicação de regime de dose con vencional. Uso em pacientes idosos: Embora Alkeran seja freqüentemente utilizado nas doses convencionais neste grupo de pacientes, não há informação específica disponível sobre este uso. Uso em pacientes com insuficiência renal: (ver PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS) O clearance do A l k e ra n, embora va r i á vel, é reduzido em pacientes com insuficiência renal. Os dados farmacocinéticos atualmente disponíveis não justificam uma recomendação absoluta sobre a redução das doses comprimidos para esse grupo de pacientes. Entretanto, seria prudente utilizar, inicialmente, uma dose reduzida até a obtenção de tolerância.

Informações

A melfalana é um agente alquilante bifuncional. A formação de intermediários de carbono de cada um dos dois grupos bis-2-clorostil propicia a alquilação através de ligação covalente com o 7-nitrogênio de guanina no DNA, ligando, de modo cruzado, duas cadeias de DNA e, deste modo, impedindo a replicação celular.

ncia.

Alkeran - Informações

A melfalana é um agente alquilante bifuncional. A formação de intermediários de carbono de cada um dos dois grupos bis-2-clorostil propicia a alquilação através de ligação covalente com o 7-nitrogênio de guanina no DNA, ligando, de modo cruzado, duas cadeias de DNA e, deste modo, impedindo a replicação celular.