Bulas de Remédios

As bulas constantes no ER Clinic são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Laboratório

Eurofarma

Referência

Paclitaxel

Apresentação

fr.-ampola de 5 e 17 ml c/ 60 mg/ml.

Contra-indicações

Paclitax está contra-indicado nos pacientes que tenham história de reações de hipersensibilidade ao Paclitaxel ou a outros produtos formulados com cremophor el. Paclitax não deve ser usado em pacientes com uma neutropenia basal < 1.500 células/mm3 ou em pacientes com sarcoma de kaposi relacionado à aids com neutropenia basal ou subseqüente < 1000 células/mm3 (vide dosagem e administração).

Reações adversas / Efeitos colaterais

Os dados a seguir foram obtidos de 402 pacientes, que foram avaliadas em 8 estudos clínicos, portadoras de carcinoma do ovário e da mama. Em 4 estudos a dose do Paclitaxel variou de 135 a 250mg/m2 e foi administrada durante 24 horas. Em 3 estudos a dose variou de 170 a 300mg/m2, administrada em 24 horas e incorporou G-CSF como apoio hematopoético. O oitavo estudo foi um ensaio randomizado, em pacientes com carcinoma do ovário e comparou duas doses do Paclitaxel (135 ou 175mg/m2) e dois esquemas de administração (em 3 ou em 24 horas). Sistema hematológico: A supressão da medula óssea foi o principal fator tóxico limitante da dose do Paclitaxel. A neutropenia foi relacionada à dose e, em geral, foi rapidamente reversível. Durante o primeiro tratamento ocorreu neutropenia grave (< 500 células/mm3) em 52% das pacientes. Durante o período total de tratamento, neutropenia grave foi relatada em 67% das pacientes. Na dose recomendada, a neutropenia ocorreu em 47% das pacientes. Embora tenha sido freqüente, a neutropenia grave foi de curta duração e apenas 7% das pacientes tiveram uma contagem de células abaixo de 500/mm3, durante 7 ou mais dias. As contagens mais baixas de neutrófilos ocorreram numa mediana de 11 dias, após a administração do Paclitaxel. A mielossupressão pareceu ser mais freqüente e mais grave nas pacientes que receberam radioterapia anteriormente. A febre foi freqüente (19% dos casos) e esteve associada a neutropenia grave em 5% dos tratamentos. Trinta e cinco porcento das pacientes relataram pelo menos uma infecção e 13% de todos os tratamentos foram associados a um episódio infeccioso. Infecções do sistema urinário, do sistema respiratório superior e septicemia foram as infecções mais freqüentemente relatadas. Cinco casos de septicemia (aproximadamente 1% das pacientes), que foram associados a neutropenia grave atribuída à administração do Paclitaxel, foram fatais. A trombocitopenia foi menos freqüente e menos pronunciada que a neutropenia. Setenta e três por cento das pacientes mantiveram um nível de plaquetas superior a 100.000/mm3, durante todo o tratamento e apenas 10% teve um nível mais baixo, inferior a 50.000/mm3. O 8o ou 9o dia, após a administração do Paclitaxel foi consistentemente a média da contagem mais baixa das plaquetas. Dezenove por cento das pacientes tiveram sangramento, mas a maioria dos episódios hemorrágicos foi localizada, e pareceu ser relacionada ao fármaco. Seis pacientes tiveram hemorragia grave, mas em apenas um caso uma trombocitopenia grave (< 25.000/mm3) esteve presente. Quatorze pacientes (3%) receberam transfusões de plaquetas. Anemia (Hb abaixo de 11g/dl) foi observada em 90% das pacientes. A incidência e a gravidade da anemia parece aumentar à medida que aumenta a exposição ao fármaco. Ocorreu anemia grave (Hb < 8g/dl) em 24% das pacientes, em 13% das com Hb basal ³ 11g/dl e em 40% das com anemia no início do estudo. Trinta e quatro por cento de todas as pacientes receberam transfusões de células. Reações de hipersensibilidade: No total, 19% de todos os tratamentos foram associados a reações de hipersensibilidade. Dez pacientes (2%) desenvolveram reações graves, que necessitaram de intervenção terapêutica e/ou de interrupção do tratamento com o Paclitaxel, apesar da pré-medicação. Sintomas graves ocorreram, geralmente, dentro da primeira hora após a administração do Paclitaxel. As manifestações mais freqüentes foram dispnéia e hipotensão, que necessitaram de tratamento, e dores no peito. Em três casos a interrupção da administração do Paclitaxel foi a única ação necessária. Nas 7 pacientes restantes, broncodilatadores (albuterol ou teofilina), epinefrina, anti-histamínicos e corticosteróides foram usados isoladamente ou em associação. Cinco destas pacientes toleraram o tratamento subseqüente com o Paclitaxel. Além destas 10 pacientes, que apresentaram reações graves de hipersensibilidade, outras 156 (39%) apresentaram manifestações leves, compatíveis com reações de hipersensibilidade. As manifestações mais freqüentes foram rinorréia, eritema e dispnéia, que foram observadas em 32%, 9% e 4%, respectivamente. Nenhuma destas reações obrigou a interrupção do tratamento, nem impediu que o tratamento fosse completado. Sistema cardiovascular: Hipotensão e bradicardia ocorreram em 101 (25%) e 47 (12%) pacientes, respectivamente. Das 47 pacientes que tiveram bradicardia, 42 a tiveram durante a infusão do Paclitaxel. Nenhum destes episódios necessitou de tratamento específico. Das 101 pacientes que tiveram hipotensão, 91 a tiveram durante a infusão do Paclitaxel. A bradicardia e a hipotensão não costumam ocorrer simultaneamente durante o mesmo tratamento. Apenas 2 casos de hipotensão, associados a reação grave de hipersensibilidade, necessitaram de tratamento. Seis eventos cardiovasculares graves, possivelmente relacionados à administração do Paclitaxel, foram identificados nas 402 pacientes (cerca de 1,5%). Quatro pacientes tiveram arritmia (taquicardia ventricular assintomática, bigeminismo e duas lipotimias) e houve dois casos de bloqueio AV total, que necessitaram de implante de marcapasso. Trinta por cento de todas as pacientes tinham um ECG anormal antes do estudo e 19% das pacientes, que tinham um ECG normal antes do estudo, desenvolveram um traçado anormal. As anomalias mais freqüentemente relatadas foram alterações inespecíficas da repolarização ventricular, taquicardia sinusal e extra-sístoles. A relação entre a administração do Paclitaxel e as anomalias do ECG não foi claramente estabelecida. Apenas 2 das 119 pacientes que tiveram anomalias do ECG necessitaram de tratamento. Sistema nervoso: Neuropatia periférica foi observada em 62% de todas as pacientes, sendo parestesia leve o sintoma mais freqüente. Quatro por cento de todas as pacientes tiveram sintomas neurológicos graves. A neuropatia periférica foi dependente da dose, sendo 42% das pacientes afetadas pela dose normal do Paclitaxel, e 69% por doses mais altas. A incidência dos sintomas neurológicos foi comparável em grupos de pacientes previamente tratadas com cisplatina (57%). Os sintomas sensitivos geralmente melhoraram ou desapareceram vários meses após a interrupção da administração do Paclitaxel. Além da neuropatia periférica, a única manifestação neurológica grave foi um caso de crise convulsiva tipo grande mal, que ocorreu durante a infusão do Paclitaxel e reapareceu quando o Paclitaxel foi novamente administrado. Artralgia/mialgia: Artralgia/mialgia (dor nas grandes articulações dos membros superiores e inferiores) ocorreu em cerca de 55% dos pacientes e foi geralmente leve. Os sintomas foram transitórios, apareceram cerca de 2 a 3 dias após a administração do Paclitaxel e desapareceram em poucos dias. A incidência da artralgia/mialgia foi claramente dependente da dose e foi um pouco mais freqüente nos pacientes que receberam G-CSF. Função hepática: As modificações dos testes de função hepática mostraram alguma relação com a dose do Paclitaxel. A análise, limitada às pacientes que tinham valores basais normais, mostrou que 8% das pacientes tiveram aumento da bilirrubina, 23% tiveram aumento da fosfatase alcalina, 16% tiveram aumento da SGOT e 33% tiveram aumento da SGPT. Uma relação de dose-dependência foi sugerida para todos os testes, exceto para as transaminases. Outros eventos clínicos: A alopecia foi observada em quase todas as pacientes, mas foi reversível após o término do tratamento. O Paclitaxel causa uma queda de todos os pêlos (do couro cabeludo, das sobrancelhas, dos cílios, da axila e do púbis). A queda dos pêlos ocorre geralmente duas a três semanas após a primeira administração do Paclitaxel e foi descrita como sendo súbita e completa, freqüentemente num só dia. Efeitos gastrointestinais, tais como náuseas, vômitos, diarréia e mucosite foram relatados em 59%, 43% e 39% das pacientes, respectivamente. Estas manifestações foram geralmente leves a moderadas, na dose recomendada. A mucosite é relacionada à dose e pode se tornar o fator tóxico limitante nas pacientes que estão recebendo altas doses, isto é, acima de 300mg/m2.

Posologia

Nota: Não se recomenda o contato do concentrado não-diluído com materiais ou dispositivos de PVC usados no preparo das soluções para infusão. Para minimizar a exposição do paciente ao plastificante DEHP (di-(2-etilexil) ftalato), que pode se desprender das bolsas de infusão ou dos materiais de PVC utilizados, as soluções diluídas devem ser — de preferência — guardadas em frascos (vidro ou polipropileno) ou em bolsas plásticas (polipropileno ou poliolefina) e administradas através de materiais de polietileno. Todos os pacientes devem ser pré-medicados antes da administração, a fim de prevenir reações de hipersensibilidade graves. Esta pré-medicação corresponde a 20mg de dexametasona via oral, administrados aproximadamente 12 a 6 horas antes da administração do Paclitaxel; 50mg da difenidramina (ou seu equivalente) via IV, 30 a 60 minutos antes do Paclitax e cimetidina (300mg) ou ranitidina (50mg) via IV, 30 a 60 minutos antes do Paclitax. Estudos apropriados de dose-resposta não estão finalizados. Paclitax em dose de 135mg/m2, administrados intravenosamente em 24 horas a cada 3 semanas, mostrou ser eficaz em pacientes com carcinoma metastático de ovário após falha da quimioterapia de primeira linha ou subseqüente. Doses elevadas, com ou sem G-CSF mostram respostas semelhantes à dose de 135mg/m2. Ciclos de tratamento com Paclitax não devem ser repetidos até que a contagem de neutrófilos e de plaquetas seja de pelo menos 1.500 células/mm3 e 100.000 células/mm3, respectivamente. Os pacientes que apresentaram neutropenia grave (neutrófilos < 500 células/mm3 por 1 semana ou mais) ou neuropatia periférica severa durante a terapia com Paclitax devem ter a dosagem reduzida em 20% nos ciclos subseqüentes. Há incidência e gravidade da neurotoxicidade e da toxicidade hematológica com a dose, principalmente acima de 190mg/m2.

agem reduzida em 20% nos ciclos subseqüentes. Há incidência e gravidade da neurotoxicidade e da toxicidade hematológica com a dose, principalmente acima de 190mg/m2.